Quem bebe somente aos finais de semana sofre tanto quanto quem bebe com frequência Eventos BaresSP 570x300 imagem
    300x250-banner-equipotelSP_semana-hospitalidade_280920201127.gif

    Quem bebe somente aos finais de semana sofre tanto quanto quem bebe com frequência

    Beber socialmente faz tanto mal quanto beber regularmente, diz estudo

    Por Michelly Ribeiro | 22 de Fevereiro 2013 - Publicado em 21 Fevereiro 2013


    Segundo estudo feito pelo Scripp's Research Institute da Califórnia (EUA), a ingestão de grandes quantidades de álcool de uma só vez afeta o cérebro da mesma forma que o consumo frequente, ou seja, beber aos finais de semana - ou socialmente - faz tanto mal quanto consumir o produto todos os dias.

    Esse padrão de consumir álcool por termpo determinado é chamado pelos especialistas de uso BPE (beber pesado episódico), e é definido pelo consumo de cinco ou mais doses para homens, e de quatro ou mais doses para mulheres; sendo também utilizado para indivíduos que bebem até a embriaguez.

    O comportamento é arriscado porque pode levar ao alcoolismo. A pessoa tende a beber para se sentir mais desinibida, relaxada e à vontade, e isso faz com que passe a consumir mais bebida alcoólica porque, com o tempo, o efeito vai ficando fraco. Os bebedores "sociais" passam a agir de forma agressiva, ficam mais agitados, possuem alterações no equilíbrio, vômitos e até convulsões.

    Os sintomas da dependência são claros: desejo incontrolável de beber, a perda de controle (não conseguir parar depois de ter começado), tolerância e sintomas físicos como sudorese, tremores e ansiedade.

    Uma curiosidade é que na hora de beber, faz diferença se a pessoa é homem ou mulher. Isso porque as mulheres possuem menor quantidade de água no organismo, o que faz com que o álcool fique mais concentrado. Assim, uma mesma quantidade de bebida afeta as mulheres mais rápido e de forma mais intensa do que os homens.

    O uso de álcool é o terceiro fator de risco de morbimortalidade no mundo, justamente por ser um tipo de droga lícita, com uma variedade de marcas expostas na TV somente para o consumidor escolher. Para se ter uma ideia do consumismo exagerado das bebidas com álcool, em novembro de 2012, a Ambev, fabricante de cervejas e dona das marcas Brahma, Antarctica e Skol, foi considerada como mais valiosa do que a Petrobras.

    Quem bebe, deve saber também que os efeitos do consumo do álcool são evidentes e não muito agradáveis, como: ressacas, cansaço e má aparência. Além disso, a longo prazo, a ingestão está associada a várias condições, como o câncer de mama, câncer oral, doenças cardíacas, derrames, cirrose hepática, entre outras.

    Pesquisas também associam o consumo de altas doses à problemas de saúde mental, perda de memória e deminuição da fertilidade. Tudo isso, além de desenvolvimento de problemas digestivos, espinhas e inchaço no rosto, celulite, perturbações do sono e depressão.

    Portanto, é melhor "se prevenir do que remediar" na hora de ingerir, mesmo um gole de álcool, seja a bebida que for. Conhecer os limites do corpo é saudável. Consciência é fundamental.

     

    TAGS
     
     
     
     

    Bares em São Paulo

     
     

    Notícias BaresSP

     

    BaresSP publicidade 980x90 bares


    topo