Macaco Bong, Hurtmold, Móveis Coloniais de Acaju e Cidadão Instigado tocam no Auditório Ibirapuera em Janeiro no Alto Verão Eventos BaresSP 570x300 imagem
    experiencia-gastronomicas_banner_300x250.jpg

    Macaco Bong, Hurtmold, Móveis Coloniais de Acaju e Cidadão Instigado tocam no Auditório Ibirapuera em Janeiro no Alto Verão

    Macaco Bong, Hurtmold, Móveis Coloniais de Acaju e Cidadão Instigado tocam no Auditório Ibirapuera em Janeiro no Alto Verão

    Por Luciana Stabile  | 15 de Janeiro 2010 - Publicado em 21 Janeiro 2009


    Em Janeiro, o Auditório Ibirapuera comemora o verão com uma programação especial intitulada “Alto Verão”.

    No palco, Macaco Bong (dias 15 e 16 de janeiro, às 21h), Hurtmold (dia 17 de janeiro, às 19h), Móveis Coloniais de Acaju (dias 22 e 23 de janeiro, às 21h) e Cidadão Instigado (dia 24 de janeiro, às 19h).

    Para poupar o bolso dos espectadores, o Auditório Ibirapuera vai fazer uma promoção especial de férias; na compra de um ingresso para cada espetáculo do festival, a pessoa para um valor promocional de R$ 80. A promoção é valida para meia-entrada também, a R$ 40.

    Macaco Bong
    O Macaco Bong nasceu em Cuiabá (MT) no ano de 2004 como um quarteto de rock instrumental. Logo no ano de 2005 se tornou um power trio, permanecendo com a proposta de rock instrumental com conteúdo musical.

    Baseado na desconstrução dos arranjos da música popular em seus formatos convencionais e aliada à linguagem das harmonias tradicionais da música brasileira com jazz/fusion/pop e etc, o Macaco Bong sempre busca nunca concretizar rótulos relativos às variedades nas vertentes dos gêneros musicais em suas composições, tudo isso aplicado tanto na estética quanto no conteúdo do rock’n’roll.

    Lançou sua primeira EP em 2005 com três faixas que estão disponibilizadas no site do trama virtual (www.tramavirtual.com.br/macaco_bong ). Atualmente a banda é integrada por Bruno Kayapy (guitarra), Ynaiã Benthroldo (batera) e Ney Hugo (baixo). Recentemente gravou seu segundo EP constituído por cinco faixas, lançado em março.

    Macaco Bong foi destaque nos principais festivais que fazem parte da rota do circuito Fora do Eixo, no ano de 2006, como o Grito Rock festival (MT), Festival Calango (MT), Goiânia Noise Festival (GO), MADA festival (RN), Primeiro Campeonato Mineiro de Surf (BH), PMW Festival (TO), Festival Varadouro (AC), Festival Jambolada (MG), Festival Demosul (PR), festival Beradeiros (RO), Vaca Amarela Festival (GO), Laboratório Pop Festival (RJ), além de shows esporádicos como headliner nas principais casas noturnas de São Paulo, Outs Bar, Milo Garage, Satva Bar, Casa Belfiori, Funhouse, Studio SP e Oásis Bar, recebendo críticas positivas dos vários meios de comunicação especializados como Revista Bizz (quando foi apontado como uma das grandes promessas para 2007’) e Folha de São Paulo, em seu guia cultural.

    Este ano a banda já participou de três festivais, o Grito Rock Cuiabá(MT), Rec Beat( PE) e Festival Fora do Eixo(SP) tocando ao lado de outros grande nomes da cena independente atual.

    Além dos trabalhos junto à banda, os Bongs fazem parte do Instituto Cultural Espaço Cubo onde são produtores musicais e co-realizadores de eventos e festivais, como o Calango, Grito Rock e Semana da Música, produções que impulsionam a cadeia produtiva, tanto local, quanto nacional dentro do circuito fora do eixo. Também são militantes da Volume (Voluntários da Música), entidade destinada para a qualificação de agentes direcionados no know-how na produção das ações locais.

    Hurtmold
    O Hurtmold foi formado em 1998 na cidade de São Paulo. Com base no rock, mas empilhando várias outras referências sonoras, o grupo se utiliza ainda de inúmeros instrumentos, resultando numa musicalidade de forte caráter orgânico, recheada de texturas, ora tensas ora delicadas, e sempre aberta a improvisações.

    Após dois registros em cassete, lançaram em dezembro de 2000 seu primeiro cd, intitulado Et Cetera. Em maio de 2002 saiu o seu segundo álbum, Cozido. No mês de julho de 2003 foi lançado no Brasil o split cd do Hurtmold com o trio de Chicago the Eternals, banda que conta com ex-integrantes do Trenchmouth e o músico Tim Mulvenna (jeb bishop).
    Movéis Coloniais de Acajú
    Em 1998 a banda Móveis Coloniais de Acaju surgiu com ideais que se confundem com outras bandas. Um grupo de jovens amigos que buscavam uma sonoridade singular, diversão e, quem sabe, o sucesso. Mal sabiam, naquele momento, estavam a iniciar um dos mais ambiciosos e interessantes projetos musicais que o Brasil abrigaria.

    Logo no início, adotaram o grandioso nome Móveis Coloniais de Acaju. Era sonoro, diferente e ainda permitiu que se homenageasse a obscura "Revolta do Acaju" - episódio histórico acontecido na Ilha do Bananal (?). Também no início, a idéia era ter diferentes instrumentos - gaita, trompete, escaleta, flauta, além de guitarra, bateria e baixo. Ao nome extenso e à formação esquisita, a incansável vontade de tocar e se apresentar ao vivo completavam a essência do Móveis.

    Nos primeiros anos, foram muitos e muitos shows por Brasília. Bailes de formatura, festas de centros acadêmicos, shows de reggae, rock, metal... tudo! Além de Brasília, a banda se aventurou por Goiânia e São Paulo. Mas, em 2003, quando foram a única atração local selecionada para figurar o palco principal do Brasília Music Festival (abrindo para Live, Ultraje a Rigor e Charlie Brown Jr), viram que a coisa tinha que se profissionalizar.

    O primeiro disco foi gravado em outubro de 2004 no Rio de Janeiro, no estúdio Tambor. Foi a primeira grande experiência em estúdio. Reunia 12 das melhores composições da banda à época, que sintetizavam a "feijoada búlgara" - termo gastronômico usado pelo Móveis para explicar a mistura do rock, ska a ritmos brasileiros e do leste europeu.

    A incansável vontade de tocar e ampliar seus horizontes levou a banda para uma turnê de seis shows pela Europa - Bélgica, Suíça, Rep. Tcheca e Alemanha, em agosto de 2008. Sem exceção, o Móveis foi ovacionado em todas as apresentações. Os novos ares ajudaram a banda a fechar o repertório do segundo disco, que seria gravado a partir de outubro de 2008 - com o apoio da Trama, que forneceu todo o cuidado e a estrutura para sua gravação, mixagem e masterização.

    De volta ao Brasil, e desta vez com o acompanhamento (quase fraternal) de Carlos Eduardo Miranda, a banda dedicou-se ao c_mpl_te (complete) - o aguardado segundo cd. Também com 12 faixas, o álbum destaca a união, o trabalho em grupo e a consolidação da identidade sonora. Os detalhes e as canções são bastante evidentes nesse disco. Nas palavras de Miranda, "sem dúvida, um dos melhores e mais importantes discos que eu fiz na vida".
    Cidadão Instigado
    Criada por Fernando Catatau (guitarra e voz, também compositor e arranjador de todas as músicas da banda, o Cidadão Instigado faz um rock influenciado pela música nordestina e pelo rock dos anos 1970, além da música romântica "brega" brasileira - o que se evidencia pelo tom muitas vezes melancólico das canções.
    O ponto de partida para suas composições foram histórias que ele mesmo viveu e transformou em letras. A partir do que foi dito, criou-se a música. De forma triste, tensa, saudosa, psicodélica levando o ouvinte a uma percepção musical a partir de uma imagem, seja de um sujeito, que por ser um pouco diferente, leva consigo as marcas do preconceito, ou de um pobre que pensa que colocando dentes de ouro, mesmo que falsos, vá se tornar mais bonito. momentos vividos, transformados em canções. O cidadão instigado é música feita do coração para pessoas que buscam uma identidade. Para quem não se importa de chorar um amor perdido ou simplesmente acredita nas mudanças gradativas... música para ser vivida e sentida.

     

    TAGS
     
     
     
     

    Bares em São Paulo

     
     

    Notícias BaresSP

     

    BaresSP publicidade 980x90 bares


    topo