Cresce a concorrência entre óleos vegetais  Eventos BaresSP 570x300 imagem
    Arroba_marketUp1.png

    Cresce a concorrência entre óleos vegetais

    Fabricantes investem com o aumento no consumo de óleos vegetais

    Por Atitude Press Assessoria em Comunicação  | 25 de Setembro 2010 - Publicado em 24 Setembro 2010


    O acréscimo na demanda por óleos vegetais mudou um mercado que antes se caracterizava pela concorrência entre matérias graxas animais e vegetais. Agora, as gorduras vegetais concorrem entre si como fontes mais saudáveis para o consumo doméstico e mesmo na utilização em processos industriais. Afora, o “é bom, porque faz bem para a saúde”, os custos de produção e o desenvolvimento industrial são os fatores que mais pesaram para o novo formato.

    A alimentação continua sendo o setor que mais consome o produto, apesar do aumento no uso industrial, tanto em volume como em número de processos de aplicação.
    Segundo dados do Departamento de Estudos Sócio-Econômicos Rurais (Deser), baseados em informações do United States Department of Agriculture (USDA), no Brasil o consumo de óleos vegeais já ultrapassou cerca de 6 milhões de toneladas. O óleo de soja é o mais popular, respondendo por mais de 90% do total consumado.

    A popularidade do óleo de soja, no entanto, não tem intimidado seus concorrentes, aliás, o que se vê é o aumento no consumo intensificar a exploração de outras espécies vegetais e, dada a versatilidade de algumas matérias-primas, como o amendoim, o óleo virar sub-produto do grão.

    O cenário de crescente demanda foi decisivo para a Sementes Esperança, de Jaboticabal/SP, que se limitava à fabricação de doces à base de amendoim, iniciar a produção de óleo, primeiramente para atender a demanda externa. Do ano passado para cá, o sucesso na reintrodução doméstica do óleo de amendoim no varejo fez a empresa aumentar a capacidade de esmagamento dos grãos e dobrar a produção de óleo de amendoim bruto. “Pensamos em operar uma refinaria própria”, afirma o engenheiro de alimentos da Sementes Esperança, Rafael Bedore. “Também encontramos espaço no mercado food service e junto às indústrias de alimentos, especialmente fabricantes de snacks, setores que hoje já respondem por cerca de 20% de nosso faturamento".

    Na indústria brasileira, a intenção de restringir o uso da gordura trans em formulações de alimentos desde 2006, ganha força junto à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Naquele ano, a agência determinou que a quantidade do insumo passasse a constar obrigatoriamente como informação nutricional nos rótulos das embalagens dos produtos, diferenciando-os aos olhos do consumidor. O Ministério da Saúde aperta o cerco e mostra interesse em pôr fim ao uso da gordura trans em alimentos industrializados. As possíveis mudanças na legislação regulatória do setor alimentício vêm ao encontro das expectativas dos fabricantes de óleos vegetais, que esperam substituir gradativamente o uso da gordura trans.

     No varejo, onde se concentra a maior parte da demanda por óleos vegetais, a maior preocupação do consumidor com a saúde tem sido determinante para o aumento das vendas de óleos ricos em gorduras monoinsaturadas, que baixam o colesterol ruim (LDL) sem diminuir o bom (HDL), afirma Bedore. O aumento da participação dessas gorduras mais saudáveis no cardápio do brasileiro pode ser percebido no volume crescente de amendoim processado na fábrica da Sementes Esperança. Até agora, a empresa recebeu 600 mil sacas de amendoim para moagem, contra as 400 mil sacas da safra de 2008/2009.

    Sobre a Sementes Esperança
    Pioneira na fabricação de produtos à base de amendoim, a Sementes Esperança conta com três unidades (todas instaladas na cidade de Jaboticabal, a 330 km de São Paulo), e ganha cada vez mais destaque no mercado interno e externo. Sempre à frente de ações pioneiras, a empresa aposta agora na reintrodução do Óleo de Amendoim refinado no mercado brasileiro. Sucesso de vendas em exportação há sete anos, o produto começou a ser comercializado por aqui em embalagens PET de 900 ml, para o setor de varejo, e à granel, para o segmento Food Service.

     

     

     
     
     

    Bares em São Paulo

     
     

    Notícias BaresSP

     

    BaresSP publicidade 980x90 bares


    topo