CCBB traz para a Praça do Patriarca Andrea Amorin , Gabriel Sater e muito mais! Eventos BaresSP 570x300 imagem
    banner-salton.jpg

    CCBB traz para a Praça do Patriarca Andrea Amorin , Gabriel Sater e muito mais!

    CCBB convida para atrações gratuitas na Praça do Patriarca.

    Por Marcela Lima - Verbena Comunicação  | 14 de Setembro 2010 - Publicado em 13 Setembro 2010


    Andrea Amorim (Garanhuns, PE) 17 e 18,de Setembro

    Músicos: Andrea Amorim (voz), Daniel Figueiredo (teclado), Paulo Mattiazzo (guitarra), Daninho (bateria) e Joãozinho Sousa (baixo)

    “Achei Andrea Amorim espetacular! É uma das melhores ou a melhor coisa pop que vi nos últimos anos. Não tenho dúvidas do estouro dessa menina. Não vai dever nada nem a Rita Lee, nem a Janes Joplin, sem exagero nenhum de minha parte.” Foi assim que Roberto Menescal se referiu à cantora pernambucana Andrea Amorim. Sua musica propõe um estilo próprio e original para o rock, mas sua marca registrada é a inserções de interpretação lírica em algumas canções.

    Entre as composições próprias que Andrea interpreta neste espetáculo, destaque para “Nervos de Aço”, “Marcapasso”, “Barcos de Papel”, “Alma de Vidro”, “Amuleto” e “Cúmulo”. O programa traz também releituras de Raul Seixas (“O Trem das Sete”), Legião Urbana (“Teatro dos Vampiros”), Mutantes (“Balada do Louco”) e RPM (“Revoluções por Minuto”). Com mais de 10 anos de carreira, a cantora e compositora gravou quatro CDs gravados (Cúmulo, Amuleto, Milagre e Fragmentos); o quinto (Ao Meio Por Inteiro) já está pronto e será lançado em breve com participação especial de Roberto Menescal (violão) e Nil Bernardes (craviola).

    O Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB - SP) apresenta - a partir de 3 de setembro – a série musical Vale a Pena Ouvir, que acontece ao ar livre (grátis) na Praça do Patriarca, centro de São Paulo, às 12h30. São cinco espetáculos com duas sessões cada (às sextas-feiras e aos sábados, ao meio-dia e meia), reunindo facetas da diversidade musical do Brasil como o tradicional forró, a música regional (nordestina e pantaneira), o rock mesclado com o canto lírico e a música eletrônica com o cancioneiro popular.

    O grupo pernambucano Fim de Feira, em apresentação inédita em São Paulo abre a temporada (3 e 4 de setembro), seguido pela pernambucana Andrea Amorim (17 e 18 de setembro), pela banda mineira formada por deficientes visuais Forró no Escuro (1 e 2 de outubro), pelo paulistano-pantaneiro Gabriel Sater (15 e 16 de outubro) e pelos paraibanos do Cabruêra (29 e 30 de outubro), que fecham o projeto.

    Todos os grupos e artistas convidados possuem trabalhos reconhecidos em suas respectivas regiões e até mesmo no Exterior; alguns trazem o aval de artistas de renome nacional. A seleção envolveu uma minuciosa pesquisa em busca da diversidade de gêneros e da qualidade artística somada às particularidades dos estilos. O resultado é um projeto rico em sonoridades e elementos da cultura brasileira.
    ______________________________________

    Forró no Escuro (Belo Horizonte, MG) 1º e 2 de outubro

    Integrantes: Marilane Silva (cantora, triângulo e carrilhão), Zezinho do Acordeon (acordeon), Zé Maria (violão e vocal), Thiago Ângelo (teclados), Paulo Lúcio (baixo) e Egídio Júnior (bateria).

    A banda mineira Forró no Escuro é formada exclusivamente por artistas portadores de deficiência visual plena. Nos shows os músicos tocam, cantam, dançam e se movimentam, superando barreiras e dividindo a sua alegria com o público. Os integrantes são ex-alunos do Instituto São Rafael de Belo Horizonte que, em 1998, formou o grupo, reconhecido como a “melhor banda de cegos do mundo”.

    O repertório do show traz as tradicionais “Asa Branca” e “Baião” (Luiz Gonzaga e Humberto Teixeira), “Xote das Meninas” (L. Gonzaga e Zé Dantas), “Pisa na Fulô” (J. do Vale, S. Júnior e E. Pires), “Você Endoideceu Meu Coração” (Nando do Cordel) e também releituras em ritmo de xote e baião para “Na Rua, na Chuva na Fazenda” (Hyldon), “É Preciso Saber Viver” (Roberto & Erasmo), “Vou Deixar” (Samuel Rosa e Chico Amaral), “Ovelha Negra” (Rita Lee), “Sozinho” (Peninha) e outras.

    O grupo já se apresentou em Istambul (Turquia), em 2001, no 2º Annual Turkey International Very Special Arts, Londres (Inglaterra) e nos Estados Unidos concorreu, em 2004, com mais de 700 artistas de todo o mundo e foi selecionado (único grupo da América Latina) para participar do International Vsarst Festival - Odyssey Dare to Imagine (maior festival de arte inclusiva do mundo), em Washington. Após o festival, foram convidados para apresentações em várias outras cidades americanas. O sucesso rendeu ao Forró no Escuro o convite para ser uma das atrações principais da edição de 2010 do Vsarts Festival.

    O Forró no Escuro é parceiro ativo do programa Arte Sem Barreiras da Funarte e da Associação Arte Vida e Sensibilidade, afiliada do VSA – Very Special Arts, entidade sem fins lucrativos, fundada em 1974, com sede em Washington, D. C., que promove a inclusão social dos artistas portadores de deficiência com a realização de eventos artísticos, exposições e programas de arte-educação.
    ________________________________________

    Gabriel Sater (Pantanal - São Paulo, SP) 15 e 16 de Outubro

    Músicos: Gabriel Sater (violão e voz), Negão dos Santos (violão), Moisés Alves (piano), Miguel Assis (bateria), João Gaspar (violão) e Marcelo Ribeiro (baixo).

    O compositor, arranjador, músico e instrumentista Gabriel Sater faz parte da nova geração da música brasileira. Filho do violeiro Almir Sater, ele nasceu em São Paulo, mas foi criado no Mato Grosso do Sul e Pantanal, onde desenvolveu um estilo musical com fundamentos da música regional e fronteiriça sul-matogrossense, apresentando traços próprios de contemporaneidade.

    O roteiro do show é formado por composições próprias (“Turuniño”, “Recuerdos”), parcerias com Chico Teixeira (“Sonhos De Aço”), Paulão Simões (“Nos Dias Atuais”), Fernando D’Andréa (“Levemente Distantes”), Daniel Rondon (“Em Cada Diferença”) e músicas de outros autores como Agustín Barrios Mangoré, Adriano Magôo, Almir Sater, Guilherme Rondon, Geraldo Espíndola, Renato Teixeira, Tião Carvalho, Astor Piazzolla, Carlos Gardel e outros

    Com 10 anos de carreira, Gabriel Sater agrega o virtuosismo ao violão, a poesia das canções e o seu refinamento como pesquisador, compositor e arranjador para criar uma música que vai além das fronteiras. Ele tem dois CDs lançados: Gabriel Sater Instrumental (2006) reúne temas instrumentais que falam de sua identidade regional e A Essência do Amanhecer tem participação de excelentes músicos, compositores, letristas e cantores. Sua música engloba uma variedade de ritmos que vai do chamamé ao choro, do tango às guarânias, das valsas às polcas paraguaias, de baladas a temas mais modernos com traços harmônicos sofisticados da bossa nova e do jazz. O folclore e o erudito também se fundem neste caldeirão de sonoridades inusitadas. O artista já atuou ao lado de nomes como Zeca Baleiro, Fafá de Belém, Zé Geraldo, Ney Matogrosso, Moska, Andréas Kisser, Pena Branca, Paulo Simões, Guilherme Rondon e Almir Sater.
    ________________________________________

    Cabruêra (Campina Grande, PB) 29 e 30 de Outubro

    Integrantes: Arthur Pessoa (voz, violão e escaleta), Pablo Ramires (bateria), Edy Gonzaga (baixo) e Leo Marinho (guitarra).
    Participação especial: Mib (trombone) e César (trumpete).

    A banda paraibana Cabruêra - formada por quatro alunos da Universidade Federal da Paraíba, em Campina Grande - desenvolve um trabalho ímpar no cenário musical brasileiro, baseado em ritmos do cancioneiro popular paraibano com inserções da música eletrônica, estilo que ocupa um universo tão distante das raízes brasileiras. Graças à originalidade e qualidade, desde 1998, participou de inúmeros festivais na Inglaterra, Dinamarca, Itália, República Tcheca, Alemanha, França, Holanda, Bélgica, Suíça e Portugal, tendo músicas de sua autoria sincronizadas em filmes e documentários no Brasil, EUA e Europa.

    O grupo lançou três CDs - Cabruêra (2000), Samba da Minha Terra (2004) e Sons da Paraíba (2005) – e participou de 17 coletâneas lançadas no Brasil e outros países (Japão, Alemanha, França e Portugal). Ganhou o Kikito de Ouro no Festival de Cinema de Gramado para melhor música de curta-metragem, participou do programa Som Brasil (Rede Globo), em homenagem a Luiz Gonzaga, e recebeu elogios de renomados intérpretes e compositores da MPB como Lenine, Seu Jorge, Bnegão e Moska.

    O repertório deste show é formado por composições do próprio grupo (“Doce de Coco”, “Xango”, “Visagem”, “A Pisada”, “Pisa Morena” e “Passarada”), outras assinadas somente por Arthur Pessoa (“Zabé Sabe”, “Forró Esferográfico” e “Erectos Cactos”) e parcerias de Arthur e Pablo Ramires com Chico Correa e Fabiano Soares (“Bendito de São José” e “Samba Negro”).


    ________________________________________

    Local: Praça do Patriarca - Centro/SP
    Sextas e sábados - às 12h30 - Informações: (11) 3113-3651 / 3113-3652
    Grátis (ao ar livre) - Classificação etária: Livre - Duração: 60 min - Capacidade estimada: 500
    Patrocínio: Banco do Brasil
    Realização: Centro Cultural Banco do Brasil

     

    TAGS
     
     
     
     

    Bares em São Paulo

     
     

    Notícias BaresSP

     

    BaresSP publicidade 980x90 bares


    topo